eficiência energética

Eficiência energética: o uso das fontes de energia

Você já parou para analisar o jeito que consome energia? Ou é do tipo que por onde passa acende uma luz, nem lembra de apagar e no fim no mês não entende como a conta veio tão cara? Pensar no jeito que você consome recursos ao seu redor, como a eletricidade, pode ajudar o planeta e salvar seu bolso no fim do mês. Já ouviu falar em eficiência energética?

Numa definição bem simples, eficiência energética é fazer mais coisas usando o mínimo possível das suas fontes. No Brasil, o Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica, o Procel, promove o uso eficiente da energia elétrica e combate ao desperdício desde 1985.  

selo Procel
Equipamentos com o selo Procel de eficiência carregam uma etiqueta, que denota a eficiência energética do produto. Quanto mais próximo da letra ‘A’, mais eficiente é o aparelho doméstico. 

 

As ações desse programa contribuem para o aumento da eficiência dos bens e serviços, para o desenvolvimento de hábitos e de educação sobre o consumo eficiente da energia. A ideia é que estas ações contribuam para que o país tenha práticas cada vez mais sustentáveis nas casas, empresas e órgãos públicos do país.

Eficiência energética na fonte

Além de considerar a maneira mais eficaz de usar energia, também é importante levar em conta qual a origem desse recurso. O Brasil tem a matriz energética – ou seja, o conjunto de fontes de energia usado pelo país – menos poluente do mundo.

A afirmação veio do relatório da Agência Internacional de Energia (AIE), entidade ligada à Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Segundo a AIE, o Brasil deve somar quase 45% de fontes renováveis de energia em 2023.

Do total de energia gerada no país, a maioria vem de hidrelétricas ou da chamada energia hidráulica. Esta é considerada uma energia limpa, pois ao contrário de fontes como carvão ou petróleo, não liberam poluentes na atmosfera.

eficiência energética_torre de energia elétrica
Foto: banco de imagem – Pixabay

 

Embora a energia produzida nas hidrelétricas seja chamada de ‘limpa’, ainda há debate se energia gerada por hidrelétricas pode ser chamada de renovável, uma vez que a construção das usinas causa impacto significativo no ambiente.  

Fontes de energia como o Sol, o vento ou as marés são consideradas energias renováveis e vem crescendo em uso por empresas e países que buscam não apenas sustentabilidade, mas eficiência energética. Afinal, estes recursos estão disponíveis sempre na natureza e geram pouco ou nenhum impacto no ambiente.

A eficiência energética nas fábricas da Portobello

Você pode começar a aplicar medidas de eficiência energética por meio de pequenas ações no seu cotidiano. Estas mudanças não envolvem apenas o consumo de energia elétrica, mas também de outros recursos.

Por exemplo: se não for possível dirigir um Tesla (marca norte-americana que produz automóveis elétricos), você pode pensar em investir num kit gás para o carro, já que entre os combustíveis fósseis essa é a opção mais limpa. Aliás, este combustível também pode ser uma opção na indústria.

eficiencia energetica_gas natural

Este é o caso da Portobello e da Pointer, que optaram por usar o gás natural como única fonte de energia em fornos e secadores nas fábricas. Esta fonte corresponde a 100% da energia utilizada em fornos e secadores nas fábricas da Portobello e soma 88% do total de energia consumida pela empresa. Apesar de ser uma fonte de energia não renovável, o gás natural tem baixa emissão de gases de efeito estufa, é econômico e mais seguro, além de ser fácil de instalar.  

Mesmo que os consumo de energia em uma indústria seja sempre mais elevado do que em uma residência comum, é possível adaptar práticas de eficiência energética de uma fábrica como a Pointer – que foi projetada segundo critérios para certificação e requisitos internacionais de sustentabilidade –, ao ambiente doméstico.

Listamos algumas possibilidades usadas na indústria que se introduzidas na sua rotina podem fazer diferença no jeito que você gera e consome energia na sua casa. Confira:  

 

Gás Natural

Na indústria: No caso da Pointer, 100% da produção é movida a gás natural.

Em casa: O gás natural também pode ser utilizado no fogão da sua casa. Diferente do gás de cozinha, a versão muito conhecida do gás liquefeito de petróleo (GLP), o gás natural tem chama mais forte e estável, o que ajuda na hora de preparar as refeições mais rápido. Outra vantagem do gás natural no seu fogão é a economia, isso porque ao invés de comprar o botijão inteiro, você paga conforme o consumo.

A segurança e a economia também são pontos positivos deste tipo de combustível é fornecido a partir de redes de encanamentos e costuma estar disponível em construções mais novas. Para aproveitar a eficiência energética do gás natural, verifique se seu fogão ou cooktop precisa de algum ajuste.

Iluminação

Na indústria: A iluminação da Pointer é feita somente com lâmpadas de LED. Segundo o Procel, estas luzes podem ter um consumo energético 35% menor que uma lâmpada fluorescente compacta por exemplo. Quando a comparação é com as lâmpadas incandescentes, a eficiência energética do LED é ainda mais surpreendente: 80% menos consumo e durabilidade 25 vezes maior.

Em casa: Substituir as lâmpadas comuns da sua casa por LED pode render uma economia de cerca de R$40 por ano. Este cálculo vale para a substituição de uma lâmpada de 60 watts por uma de LED que produza a mesma quantidade de luz, considerando o uso diário de quatro horas.   

Telhados brancos

Na indústria: Os telhados com alto índice de refletância são sinônimo de eficiência energética por vários motivos: reduzem a temperatura dos ambientes, o consumo de energia elétrica e a absorção de calor.  Por isso, esta foi mais uma escolha verde da Pointer.

Em casa: Pintar o telhado da sua casa de branco com tinta de boa qualidade  pode te ajudar a reduzir a temperatura da casa em até 5ºC, o que pode fazer muita diferença no verão e na conta de eletricidade no final do mês. Além disso, a pintura ainda impermeabiliza e aumenta a vida útil dos telhados.

Reaproveitamento de calor

Na indústria: no caso da Portobello, o calor dos fornos é reutilizado para os secadores. Esta é uma alternativa para reduzir o consumo de energia que permite que os gases quentes originados no processo de resfriamento sejam transferidos e aproveitados numa nova etapa da produção.  

Em casa: a instalação de placas fotovoltaicas serve para converter a radiação solar em energia elétrica. No Brasil, esta tecnologia ainda pode ser considerada cara, mas em um projeto bem elaborado o custo compensa no longo prazo e deve ser pago em economia de energia entre 3 e 5 anos provando sua eficiência energética.  

Agora queremos saber: você consegue colocar em prática alguma dessas medidas de eficiência energética na sua casa? Deixe seu comentário contando qual foi sua iniciativa.

 

Deixar comentário