febre amarela_mosquito aedes

Febre Amarela: O que você precisa saber

Começa com uma febre, que aparece de forma súbita e vem acompanhada de calafrios, dor de cabeça intensa, dores nas costas e no corpo em geral, náuseas, vômitos, fadiga e sensação de fraqueza. Esses são os principais sintomas de uma doença que voltou a assustar desde o ano passado, a febre amarela. Segundo o Ministério da Saúde, pelo menos 15% das pessoas que apresentam esses sintomas parecem melhorar em um período de horas e até um dia. Mas após essa fase, em que os sintomas momentaneamente desaparecem, a doença volta mais forte.

Ainda de acordo com o órgão, nos casos graves, a pessoa infectada pode desenvolver febre alta, icterícia (coloração amarelada da pele e do branco dos olhos), hemorragia (especialmente a partir do trato gastrointestinal) e, eventualmente, choque e insuficiência de múltiplos órgãos. Cerca de 20% a 50% das pessoas que desenvolvem a forma grave da doença podem morrer.

Por conta da gravidade da a febre amarela, que somente pode ser confirmada por um médico, é que todos devem estar com a vacinação em dia. Para quem não sabe, a febre amarela é transmitida por mosquitos infectados com o vírus, e a principal forma de prevenção da doença é a vacinação.

Infelizmente, em Santa Catarina, a meta de vacinação, que vai até o final deste mês, ainda não foi atingida. Na verdade, está bem abaixo do esperado. Segundo a Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (Dive-SC), até o dia 15 de janeiro, apenas 10,6% da população do estado que deveria se vacinar não procurou os postos de saúde.

Embora a Prefeitura de Tijucas tenha avisado que o município está fora da área de risco, a vacinação ainda é fundamental. Principalmente para pessoas que precisam se deslocar para áreas onde a doença já se manifestou de alguma forma e, por isso, nas quais o risco é maior. Lembrando que a vacina demora de 10 a 30 dias para fazer efeito, ou seja, se você irá viajar para alguma área de risco, é necessário tomar a vacina com, no mínimo, 10 dias de antecedência.

 

Por que é importante se vacinar contra a febre amarela

No final do mês passado, a Dive-SC emitiu alerta para intensificação das ações de prevenção contra a febre amarela. A preocupação é relevante porque no Paraná, estado vizinho, foi confirmado o primeiro caso da doença. A vítima é um jovem de 21 anos que não havia tomado a vacina. Naquele estado, também foram encontrados mortos dois macacos infectados com o vírus da febre amarela. O temor dos órgãos de saúde é que a doença possa chegar ao estado.

Por isso, todas as pessoas com idade superior a 9 meses, que ainda não tenham se vacinado, devem procurar o posto de saúde mais próximo de sua casa ou trabalho durante todo o mês de fevereiro. Este é o último mês da campanha de vacinação contra a febre amarela.

A campanha iniciou em setembro do ano passado, quando o Ministério da Saúde  recomendou que todo o estado de Santa Catarina deveria se tornar Área com Recomendação de Vacinação (ACRV) para febre amarela. Na ocasião, foi preciso ampliar o número de doses previstas para os catarinenses. O estado recebeu mais 500 mil doses e, portanto, não deve haver faltas.

 

Saiba como pode ocorrer a transmissão do vírus da febre amarela

A febre amarela é transmitida por meio da picada de mosquitos infectados com o vírus da doença. Em áreas de floresta, a doença normalmente é transmitida pela picada de mosquitos Haemagogus Sabethe. Em áreas mais urbanas, o principal vetor é o já conhecido mosquito Aedes Aegypti, também transmissor da dengue.

É importante lembrar que os macacos infectados não transmitem a doença diretamente ao homem. Assim como uma pessoa não pode transmitir diretamente a outra. A transmissão se dá apenas pelos mosquitos, que transportam o vírus da doença. Segundo o Ministério da Saúde, a pessoa apresenta os sintomas iniciais em 3 a 6 dias após ter sido infectada.

Portanto, não se esqueça. Se ainda não se vacinou contra a febre amarela, procure o posto de saúde mais próximo de você. E para alertar amigos e familiares sobre a importância da vacinação, compartilhe este post nas suas redes sociais.

Deixar comentário