Colaborador da Portobello é tenista profissional paralímpico

Quinto colocado na categoria “Quad” na Paralimpíada Rio 2016, conquistando o melhor resultado obtido por um brasileiro em todas as edições dos jogos, o catarinense Ymanitu Geon Silva é a promessa brasileira na edição de 2020, que ocorrerá em Tóquio, no Japão. Tenista profissional paralímpico, o atleta, que trabalha no setor de marketing da Portobello e é patrocinado pela empresa, é um dos Top 10 do Ranking Mundial em sua categoria.

No ano passado, com os resultados alcançados ao longo do ano, ele conquistou a 8ª posição no ranking mundial de Quad, sendo o primeiro tenista brasileiro a ficar entre os 10 primeiros nessa modalidade. Na paralimpíada Rio 2016, além da excelente colocação, Many, como também é conhecido, recebeu do Comitê Paralímpico Brasileiro o prêmio de melhor jogador de tênis em cadeira de rodas. Foi um momento de muita emoção para o tenista profissional paralímpico.

Naquele ano, além de protagonizar a importante conquista brasileira na paralimpíada, o atleta foi campeão da Copa Guga, maior torneio de cadeirantes da América Latina, e do São Paulo Wheelchair Tennis Open. Ainda em 2016, Ymanitu conquistou o título de duplas do USB Bolton Arena, na Inglaterra, e do Sardinia Open, na Itália.

 

 

O caminho de Ymanitu para se tornar um tenista profissional paralímpico

Natural de Tijucas, cidade sede da Portobello, Ymanitu teve os primeiros contatos com o tênis ainda na infância. Ele começou a praticar o esporte aos 10 anos de idade e seguiu na modalidade por quase uma década, quando decidiu parar. A volta às quadras se deu depois de um momento dramático na vida dele.

Em 2007, o atleta sofreu um acidente de carro, que teve como consequência uma séria lesão na coluna cervical, o que o fez perder os movimentos das pernas. No processo de recuperação no hospital da Rede Sarah, em Brasília, ele conheceu as experiências de atletas cadeirantes no tênis. Foi quando viu a possibilidade de voltar às quadras, mas até ali, não imaginava que se tornaria um tenista profissional paralímpico.

Ao retornar a Tijucas, ele soube que um projeto semelhante ao de Brasília era desenvolvido na Universidade Federal de Santa Catarina. Para conquistar a melhor posição já alcançada por um brasileiro no tênis (categoria Quad), Ymanitu treinou todos os dias e, para isso, contou com o apoio e incentivo dos colegas da Portobello.

Atualmente, o foco do atleta está voltado para os Jogos Paralímpicos de 2020, no Japão. Até lá, a participação em torneios nacionais e internacionais servirão como treino para a competição.

 

 

Como funciona o tênis em cadeira de rodas

Há muitas semelhanças entre o tênis em cadeira de rodas com o esporte convencional. As raquetes e as bolas são iguais nas duas modalidades. Entre as diferenças está a chamada regra dos dois quiques. Segundo o Comitê Paralímpico Brasileiro, ela determina que o atleta cadeirante deve mandar a bola para o outro lado antes que ela toque no chão pela terceira vez. As cadeiras utilizadas são esportivas, com rodas adaptadas para um melhor equilíbrio e mobilidade.

Para poder competir em cadeira de rodas, é preciso que o atleta tenha sido medicamente diagnosticado com uma deficiência relacionada à locomoção. Para a prática do esporte, existem duas categorias: a dos jogadores com deficiência física funcional e a Quad, praticada por dos jogadores com deficiência física funcional e mobilidade muito reduzida.

História – O tênis em cadeira de rodas foi criado em 1976, nos Estados Unidos. O esporte foi idealizado por Jeff Minnenbraker e Brad Parks, que construíram as primeiras cadeiras adaptadas para o jogo. O primeiro torneio ocorreu em 1977, em Griffith Park, na Califórnia. A modalidade estreou nos Jogos Paralímpicos de Seul, em 1988. Já a estreia do Brasil se deu nos Jogos Paralímpicos de Barcelona, em 1992. O país foi representado por José Carlos Morais, o primeiro tenista brasileiro em cadeira de rodas, e Francisco Reis Júnior.

Ciente de sua responsabilidade social, a Portobello apoia vários outros projetos na área do esporte. Se você gostou de conhecer a história do tenista profissional paralímpico Ymanitu Silva e quer conhecer outros projetos que recebem o apoio institucional da Portobello, acesse nosso conteúdo sobre responsabilidade social.


Deixar comentário