Projetos 3D: entenda como eles vêm revolucionando a arquitetura

Representações gráficas, ilustrações e esboços sempre foram a melhor forma de apresentar uma ideia. Bons desenhos aplicados na engenharia, arquitetura e no design fazem toda a diferença na hora de expor um conceito e guiar a criação de um espaço.

No caso da arquitetura e da decoração, os projetos 3D vêm ganhando cada vez mais destaque. Eles já se fazem essenciais para qualquer construção, aliando-se à representação física — que antes era feita em maquetes —, aos desenhos e às plantas em duas dimensões.

Para o post de hoje, separamos tudo o que você precisa saber sobre essa nova tecnologia e o porquê de utilizá-la em seus projetos. Confira a seguir!

O que é e quando surgiu o 3D?

Você provavelmente já escutou falar ou viu algum projeto em 3D, mas já se perguntou como tudo isso foi desenvolvido?

Voltando um pouco na história, vamos até o século XVII, que foi decisivo para a arquitetura como conhecemos hoje. A partir dali, foi proposta uma nova leitura para os projetos, se afastando da estética renascentista vigente e se aproximando dos ideais clássicos (neoclassicismo). Além disso, a Idade Moderna foi essencial para a escolha dos desenhos como a melhor forma de representar um projeto de arquitetura.

Anos depois, com a Revolução Industrial e com toda a mudança de paradigma, a tecnologia chegou aos desenhos arquitetônicos, mudando a forma de interação e produção. Mais próxima do que temos hoje, a técnica em três dimensões — que já era aplicada na computação gráfica para a criação de filmes e produtos midiáticos — passou a ser utilizada também na arquitetura, substituindo plantas e croquis em papel.

Os recursos tridimensionais conseguem representar fielmente o resultado do projeto, com aspectos detalhados e ferramentas que manipulam a cor, a textura, a iluminação do ambiente, as áreas e as proporções. A escala menor facilita o entendimento e a observação completa do interior e do exterior. Além disso, podem ser feitos cortes para segmentar ainda mais o esboço e garantir mudanças de perspectiva.

Tudo isso só foi possível com a evolução dos programas e softwares. Por meio de processos automatizados e mais simples, podemos ter uma simulação dos espaços com objetos, móveis e detalhes (quase) idênticos aos que encontramos no “plano físico”.

A alta qualidade das imagens geradas por essas ferramentas é outro aspecto que faz a diferença. E esse é um ponto essencial, principalmente se forem destinadas a apresentações, divulgações nas redes sociais, outdoors e impressões gráficas. Alguns programas permitem também a criação de vídeos a partir do projeto virtual, passando a sensação de estarmos dentro do ambiente.

Quais são as diferenças para os modelos 2D?

Nos dois casos, o projeto pode ser feito no meio virtual. Os trabalhos em duas dimensões facilitam a compreensão das medidas e das proporções dos ambientes, além de ajudar na visualização dos elementos técnicos durante a construção. Por sua vez, os projetos 3D reproduzem o resultado final já com os itens de decoração e materiais de acabamento escolhidos.

Assim, a visualização do layout na planta é fundamental para entender qual será a melhor disposição do mobiliário e quais são as possíveis movimentações no espaço, ao passo que o projeto em três dimensões consegue trazer o esboço para a realidade.

Em termos práticos, os trabalhos em 2D são construídos a partir de gráficos e sistemas cartesianos, enquanto os 3D surgem da combinação de informações de bancos de dados.

Quais são as suas vantagens?

Investir nesses programas traz diversos benefícios, que vão além de só aprimorar a apresentação do projeto.

A primeira vantagem é em relação aos custos. Por mais que muitos programas sejam pagos (também existem opções gratuitas), o retorno vindo por meio do aumento da demanda e pelo valor agregado a cada trabalho acaba compensando o investimento na ferramenta.

O segundo ponto que vale ressaltar é a facilidade na hora de desenvolver o modelo. Com os recursos dos softwares, fica bem mais rápido e prático realizar testes, mudar acabamentos, cores, materiais e a disposição dos elementos.

Em projetos com traços arrojados e mais complexos, por exemplo, a tecnologia tridimensional é indispensável. E o motivo é simples: a visualização da construção por meio de esboços não apresenta todos os aspectos da obra. Já o 3D consegue viabilizar o desenho e trazê-lo à realidade.

E, por fim, esse tipo de recurso é um fator de atração e destaque para o profissional. Isso porque, quando pensamos na criação do projeto online, o 3D confere qualidade e confiança, influenciando diretamente no relacionamento com os clientes e na conquista de outros.

Em quais fases o 3D pode ser utilizado?

Depois que estiver pronto o planejamento em 2D de como será a planta baixa (ou quais adequações serão feitas na estrutura existente), os programas de projeção de espaços em três dimensões já podem ser utilizados. A partir daí, o projeto é transferido para o software e passa por uma série de adequações até chegar ao produto final.

Quais são os programas mais usados?

Cada um dos programas que vamos citar contém especificidades e atributos diferenciados. São adequados tanto para projetos pequenos e simples quanto para os grandes e complexos, e a escolha de qual usar deve ser feita a partir das suas preferências e habilidades.

AutoCAD

Criado em 1982, o AutoCAD foi um dos primeiros softwares a trabalhar com a projeção de espaços. Antes, o programa lidava apenas com versões em 2D, mas há algum tempo está aliando os dois formatos. É pago e garante praticidade e interface fácil, além de ser compatível com vários sistemas operacionais e processadores.

Autodesk HomeStyler

O Autodesk HomeStyler é um programa gratuito com layout bem intuitivo. O processo de criação é rápido e os objetos podem ser arrastados e colocados no desenho. E uma vantagem: não precisa ser instalado no computador.

Floorplanner

O Floorplanner é outra opção com um modo gratuito e outro pago. Conta com uma área de trabalho fácil e o desenho é feito no esquema de arrastar os objetos até o projeto. Esse programa também tem um recurso que permite alternar a visualização entre 2D e 3D rapidamente.

Revit

O software Revit é um programa prático e possibilita o compartilhamento do projeto para que mais de uma pessoa possa alterar o desenho ao mesmo tempo.

E então? O que achou dos projetos 3D? Compartilhe essa novidade com seus amigos nas redes sociais!

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *